Rainha da Sucata reabre com infraestrutura modernizada e recebe Hub Minas Digital
Prédio também contará com o Centro de Informação ao Visitante do Circuito Liberdade
Publicado: 05/04/2017 14:57 | Atualizado: 05/04/2017 17:01
Foto: Gabriel Maciel Foto: Gabriel Maciel

A partir de 05 de abril, o Rainha da Sucata, na Praça da Liberdade, abre novamente suas portas. Com obras de restauração concluídas e infraestrutura modernizada, o prédio recebe uma nova proposta de ocupação e passa a acolher o Centro de Informação ao Visitante do Circuito Liberdade e o Hub Minas Digital, projeto da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SEDECTES.

O Centro de Informação ao Visitante (CIV), que agora passa a operar no prédio, tem uma equipe que dispõe, diariamente, de todas as informações sobre o funcionamento e programação dos 14 espaços do Circuito Liberdade. Os atendentes estão capacitados para atender turistas brasileiros e estrangeiros em inglês, francês e espanhol, além de prestar informações sobre Belo Horizonte e Minas Gerais. O horário de funcionamento do CIV é terças, quartas, sextas, sábados e domingos, das 9h às 18 horas; e na quinta-feira,  das 9h às 21 horas. O CIV não funciona às segundas-feiras.

O Teatro de Arena, que integra a edificação e é aberto ao público, voltará a ser ocupado com programação artística gratuita, mediante publicação de edital, a partir de junho.

Já o Hub Minas Digital, implantado pelo Governo de Minas Gerais por meio da SEDECTES, será um espaço de coworking que visa oferecer infraestrutura moderna, ambiente para cursos, workshops, mentorias, área de convivência e conexão com o ecossistema de inovação mineiro. Empreendedores de todo o estado poderão se inscrever para compartilharem do espaço, incluindo as startups que já passaram pelo Seed, programa de aceleração do governo estadual. As empresas interessadas poderão se cadastrar em uma plataforma virtual, que servirá como banco de dados e promoverá chamadas mensais por área de atuação. Os critérios para seleção de startups serão aquelas que possuem CNPJ em MG e que têm nível mais avançado de amadurecimento no mercado (como produtos lançados ou serviços já comercializados). Durante o mês de cada área, as empresas do setor serão chamadas para o espaço, que contará com investidores, grandes empresas e eventos especializados dentro do tema.

Além disso, o Hub também terá café e uma exposição permanente com projetos da área de ciência, tecnologia e inovação.

 

Ouvir para governar

O Hub surgiu de uma conversa de empreendedores do Seed com o governador Fernando Pimentel, no ano passado. "Uma das inseguranças que os empreendedores relatam é que, após o período de aceleração, as startups ficam soltas, não se veem vinculadas totalmente ao mercado e ao ambiente de inovação. Entendendo a solicitação e a necessidade de conexão, desenvolvemos a ideia de implantar o Hub como um espaço permanente de contato dos empreendedores com grandes empresas, fortalecendo as startups em um momento tão importante e oferecendo soluções para o mercado", explica Miguel Corrêa, Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

A ideia da ocupação do prédio, incluindo a construção do Hub, veio da iniciativa do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) de trazer o patrimônio, a cultura e a história como uma das premissas de ressignificação e de novas possibilidades para os espaços disponíveis no estado.

"Muitas vezes pensamos que falar sobre patrimônio é tratar somente do passado e muita gente ainda acha que tecnologia não tem nada a ver com patrimônio cultural. Por isso, nosso esforço aqui é permitir que o conteúdo seja reapropriado no presente, que a nova geração e os diversos coletivos ressignifiquem esse patrimônio cultural. E é o Rainha da Sucata que tem tudo para fazermos essa aproximação entre as áreas da cultura, do turismo e da tecnologia hoje", conta Michele Arroyo, presidente do Iepha-MG.

 

Rainha da Sucata

O  Rainha da Sucata é uma obra de 1980 que hoje compõe o Circuito Liberdade, um conjunto de 14 edificações - dentre museus, centros de cultura e de formação - que mapeiam diferentes aspectos do universo cultural e artístico do estado. Inaugurado em 2010, o Circuito é gerido pelo Iepha-MG desde 2015, por meio do decreto nº 46.923/2015.

O edifício, assinado pelos arquitetos Sylvio de Podestá e Éolo Maia, se destaca pela concepção ousada e pelo uso de materiais diversos e cores fortes nas fachadas, em estilo pós-modernista. A diversidade de elementos, formas e cores revela a opção arquitetônica pelo emprego de materiais marcadamente regionais, como o quartzito, a ardósia, a pedra-sabão e o aço produzido nas siderúrgicas mineiras.

A finalidade original do Rainha da Sucata era dar suporte ao setor de Turismo do estado. Já em 1991, a edificação se tornou o Museu de Mineralogia Professor Djalma Andrade. Em março de 2010, com a inauguração do Museu das Minas e do Metal, todo o acervo do Rainha da Sucata  foi transferido e o prédio se tornou a sede do então Circuito Cultural Praça da Liberdade, até 2013.

Interrompida em 2014, a restauração do prédio foi retomada em julho de 2015 e chegou ao fim em janeiro deste ano. O edifício possui quatro pavimentos, com área total de 1.547m²,  e sua obra incluiu reestruturação de redes elétricas, rede de dados (internet) e telefonia. Também foi feita a requalificação do sistema de prevenção de combate a incêndio e da circulação vertical - com a instalação de um elevador -, além da modernização das redes de ar condicionado.